Não, você não pode tocar!

“Será que o meu cabelo te irrita a ponto de você não respeitar a beleza dele?”

livia

Livia Martins

Cachos, black, tranças, dreads… Há vários modelos e estilos para o cabelo crespo. E o tempo passa e continua existindo o preconceito com quem escolhe assumir o seu cabelo, a cara feia para quem escolheu não alisar. Mas sabe o que incomoda a maioria das garotas negras? A mania de algumas pessoas, não satisfeitas em apenas olhar ou admirar o nosso cabelo como outro qualquer, quererem tocar.

Independente do seu estilo – liso, trançado, crespo, armado -, é muito incômodo ter alguém analisando como se fosse um objeto de pesquisa. De repente, você vira um animal recém-descoberto que precisa ser explorado. E então, surgem as perguntas:

- Mas esse cabelo é seu mesmo?

- Como você lava?

- Coça muito?

E assim segue o julgamento desenfreado, que vai de mal a pior. Por quê? Será que o MEU cabelo, que faz parte do MEU corpo, te irrita a ponto de você não respeitar a beleza dele? Nunca vi uma menina branca passando por um interrogatório desse tipo.

enhanced-buzz-10831-1366648106-14

“Não toca no meu cabelo” / Buzzfeed

Há alguns anos, antes de assumir meus cachos, eu usava tranças jamaicanas. Um belo dia, no colégio particular onde estudava, uma menina veio até mim no intervalo e ficou me olhando. Sem entender nada, eu apenas sorri. Ela viu e falou: “Nossa, que diferente! É dread?”. Expliquei que não era e ela continuou olhando de todos os ângulos possíveis. Fiquei constrangida, tentei me afastar, ela veio atrás e pegou uma das minhas tranças: “Nossa, mas como você lava? Uma por uma, né?! Senão fica nojento!”. Respirei fundo, tirei minha trança da mão dela e respondi: “Claro que não, você por acaso lava seu cabelo fio por fio? E só pra não esquecer, nunca mais toque no meu cabelo!”. Ela ficou lá esbravejando e eu nem dei atenção.

Eu não estou aconselhando ninguém a ser grosseira sem motivo – pelo contrário, não é legal responder dessa maneira a não ser que sejamos desrespeitadas por não seguirmos o “padrão”. Somos o que somos, amamos o que somos e devemos ser tratadas com respeito. Queremos a tranquilidade de sair na rua e não sofrer esse racismo disfarçado. O que o meu penteado muda no meu caráter?

Pra nunca esquecer: você é linda e seu cabelo é uma coroa de rainha, menina!

 

Livia Martins, em colaboração especial para plano V

redação

Todas nós!

Veja todos os posts de redação